quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Terapia pelas plantas

Fitoterapia (terapia pelas plantas) é uma ciência que usa o recurso de prevenção e tratamento de doenças por meio de plantas medicinais; A forma mais antiga e fundamental de medicina da terra.O interesse da população pelos fitoterápicos como elementos preventivo e de cura vem crescendo significativamente, aliado as novas descobertas na flora medicinal brasileira, que se apresenta como umas das mais ricas e diversas do planeta. Um medicamento fitoterápico é aquele de onde utiliza-se exclusivamente derivados de droga vegetal tais como: suco, cera, exsudato, óleo, extrato, tintura, entre outros. Foi aprovado a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, a qual se constitui em parte fundamental das políticas públicas de saúde, meio ambiente, desenvolvimento econômico e social. As ações decorrentes são imprescindíveis para a melhoria do acesso da população aos medicamentos, à inclusão social e regional, ao desenvolvimento industrial e tecnológico, à promoção da segurança alimentar e nutricional, além do uso sustentável da biodiversidade brasileira e da valorização e preservação do conhecimento tradicional associado das comunidades tradicionais e indígenas.Nesse sentido, o governo federal instituiu o Grupo de Trabalho Interministerial para elaboração do Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos que em conformidade com as diretrizes e linhas prioritárias da Política Nacional estabelece ações pelos diversos parceiros em torno de objetivos comuns voltados à garantia do acesso seguro e uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos em nosso País.
 Incentiva o desenvolvimento de tecnologias e inovações, assim como ao fortalecimento das cadeias e dos arranjos produtivos, ao uso sustentável da biodiversidade brasileira  e ao desenvolvimento do Complexo Produtivo da Saúde. O diretor-presidente da Anvisa, Dirceu Barbano, defende um avanço na produção de fitoterápicos. “Nós temos uma das maiores biodiversidades do planeta e ainda somos um país com baixa participação no mercado de fitoterápicos”, explica Barbano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário